Avançar para o conteúdo principal

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.

Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.

Antes do Verão:
Anita corre quilómetros para caber no biquíni

Em férias: 
Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar

Em dias de sol:
Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes

No fim das férias: 
Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar

À hora das refeições: 
Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias
ou 
Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne

Tarde de sábado: 
Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima
ou
Anita sai à rua e vê as pessoas a passar

Sábado à noite: 
Anita dança e bebe gin 

Tarde de domingo: 
Anita vê um filme com a família
ou
Anita tem umas flores lindas no jardim

Segunda de manhã:
Anita chega sonolenta ao trabalho

Quando há jogos de futebol:
Anita vai à bola porque o seu clube é sempre o maior

Num dia em que não se passa nada:
Anita compra uma mala nova (ou uns sapatos ou outra porcaria qualquer nova)

Em dias de Festivais de Verão:
Anita ouve música ao vivo (e filma tudo)


E por aí fora até já não se poder ver, ouvir, ou sequer imaginar, a Anita...
E depois ainda há a versão cinema da Anita, que são os directos de todos estes e outros passos que a Anita possa pensar em dar.

Para quando Anita faz xixi, ou Anita cortas as unhas, ou Anita coçou uma parte (supostamente) íntima, ou Anita dá um peidinho?

(Ups, não se pode dizer a palavra "peido" em público ou acusam-nos de sermos mal-criados! Vá, mas eu disse "peidinho" que é muito mais carinhoso, ok? Estou desculpada ou tenho que fazer um pedido de desculpas no próximo post deste blogue?)

Imagem DAQUI

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Estamos a matar a infância das nossas crianças!

Se há cerca de vinte, trinta anos, não se sabia tanto quanto se sabe hoje sobre pedagogia, psicologia ou educação, actualmente este conhecimento é muito mais vasto. Tão vasto que tendemos a instrumentalizar a forma como educamos as nossas crianças.

Olhamos para os nosso filhos e vemo-los como projectos pessoais. Queremos que sejam os melhores e sempre melhores que eles próprios, que estejam sempre a evoluir para que sejam bem sucedidos na vida. É normal, porque independentemente das nossas crenças, queremos o melhor para eles, porque os amamos. Mas esta forma de amar e de os tentar conduzir para o sucesso está a matar-lhes a infância. 
Não são poucas as vezes que ouvimos coisas do género:  "Quero que o Rui seja um óptimo engenheiro";  "Estou a fazer tudo para que a Ana seja a melhor professora que já leccionou";  "O que mais quero é que o André vença no mundo do trabalho como o melhor designer gráfico".
Também dizemos que A ou B tem que frequentar determi…