Avançar para o conteúdo principal

Injustiça e intolerância

A tentativa de mostrar que se é justo cai amiúde na intolerância. Parece um contra-senso e, até há bem pouco tempo, eu pensava que isto não existia.

Só após ser mãe e ter um filho que faz algumas coisas bem feitas e tem (perdoem-me a ausência de modéstia neste capítulo, mas não consigo dizer isto sem parecer que me estou a gabar, quando, de facto, não estou, mas parecerá sempre que sim) uma inteligência e cultura acima da média, é que percebi que isto era possível de acontecer.

Os modelos estilizados, que as pessoas seguem cegamente e, para com os quais, se abstêm de usar o pensamento crítico, potenciam a intolerância. 

Imaginar alguém que é bom aluno é encaixá-lo no sector dos famosos marrões. Os ditos "marrões" são sempre relacionados com quem estuda horas a fio, é exemplarmente bem comportado e acata todas ordens sem as colocar em causa ou sequer questionar.

Encontrar alguém que é bom aluno, que não estuda a ponta de um corno e que tem maus comportamentos periódicos agita esta percepção de marrão e, consequentemente, de bom aluno. E entorna-a na intolerância. 

Se se permite a um mau aluno comportar-se menos bem nas aulas, já a um bom não se permitirá, porque é imperativo mostrar-se que se é isento, que não se favorece os bons alunos só por serem bons alunos. Ora aqui mora a intolerância porque não se age de igual modo com uns e com outros, porque se acaba por ser injusto quando se toleram determinadas coisas a umas pessoas (apenas porque as temos em baixa conta) e a outras não (apenas para limpar a nossa imagem de pessoas parciais).
Neste caso, estamos a ser intolerantes tanto com o mau aluno - porque o temos em baixa conta, só por ser mau aluno, como se isso definisse a pessoa - como com o bom aluno, porque não lhe permitimos ser uma pessoa normal que erra como todas as outras.

A imparcialidade e justiça, que tentamos a tanto custo demonstrar, caem irremediavelmente naquilo que não queremos de todo cair: na intolerância e injustiça.
Se não tivermos a capacidade de analisar friamente a nossa atitude, sem lhe misturarmos egos ofendidos, torna-se inevitável parecermos tudo aquilo que não queremos parecer e, pior ainda do que parecer, acabamos por ser efectivamente isso. 


Mensagens populares deste blogue

Assédio tuga

Hoje fui assediada de uma forma um tanto ou quanto... original.

Numa exposição, um senhor de uns oitenta e poucos anos encostou o ombro ao meu como que para ver o mesmo artigo exposto que eu estava a ver. Como uma pessoa mais ou menos bem-educada, afastei-me para lhe dar espaço, pensado que era isso que pedia com o encosto.
O senhor volta a aproximar-se e diz: -Minha senhora, dá-me um beijinho? Olho para ele espantada e respondo:  - Não! - Porquê? - pergunta, estranhando a minha nega. - Porque não nos conhecemos. - Mas a senhora tem uma cara tão bonita... Dê-me lá um beijinho!
Afasto-me com medo que, num saltinho (porque sou para o alta e ele era para o baixo), me espete um beijo, apanhando-me desprevenida. Finjo que vou ver outra peça da exposição para me afastar um pouco mais. O senhor vem atrás de mim e, como me sinto perseguida, olho para "maman" que está de costas e completamente alheio ao assédio de que estou a ser vítima, na esperança que, caso a coisa dê para o torto…

Um Pavor de Pai Natal

O J. que nunca gostou de Pais Natal foge cada vez que encontra um nos Centros Comerciais. Hoje, quando andávamos às compras, rezando para que não encontrássemos nenhum à esquina, pergunta-me: - Alguma vez me tentaste obrigar a sentar ao colo de um Pai Natal? - Não, claro que não. Ainda mais eu que sempre tive medo de palhaços e te compreendo tão bem por não gostares de Pais Natal. - A sério? Sempre tiveste medo de palhaços? - pergunta, sentindo o seu medo menos solitário. - Sim, sempre tive medo de palhaços e mascarados. Fazia-me impressão não  lhes conseguir ver as expressões faciais. - Mas houve uma vez que te mascaraste de palhaço... - Sim, mas isso já foi mais tarde. Além disso, não tinha medo de mim, como é lógico. - E o pai? Tentou sentar-me ao colo de algum Pai Natal? - Não, que me lembre, não. Mas o pai não te ia fazer isso... Nenhum de nós te ia obrigar a sentar ao colo do Pai Natal. Podíamos ter perguntado se querias, mas obrigar-te não, de certeza. Porque perguntas isso? -…

Parceira de PET

Há uns tempos, durante a minha cruzada oncológica, fiz várias PET - Tomografia por Emissão de Positrões. O exame não é doloroso, no entanto foi dos que mais me custou fazer. Requeria uma longa preparação de jejum e de imobilidade que, para uma pessoa como eu, cujo mau-humor se acentua quando exposta a factores como a fome, o frio e o sono, me deixava para lá do insuportável. Durante as longas horas de preparação só me apetecia bater em toda a gente que cruzasse o meu caminho. Como não o podia fazer, tentava dormir para esquecer a fúria que me invadia.
Num destes dias de tortura, dormi durante umas sete ou oito horas numa cama de hospital até me chamarem para a sala, dita, de preparação para o exame. Já tinha uma noite de jejum em cima e estava possessa. 
Tal como podem ler na definição de PET que linquei acima, é-nos injectada uma substância radioactiva antes do exame, que nos percorre o corpo e assinala os consumos de glicose anormais das células, uma das características das células…