Avançar para o conteúdo principal

A paragem

Em pé, agarrada à pega do tecto, vou passando o olhar por quem habita o metropolitano. Por escassos minutos aquela é a nossa casa. Somos perfeitos desconhecidos que se encontram por momentos. Muitos de nós nunca mais nos iremos voltar a ver. São minutos preciosos em que pousamos os olhos uns nos outros e conhecemos estranhos, sem nunca os conhecermos realmente.

Há quem não tire os olhos do telemóvel; quem não tire os olhos das paragens que vão passando do outro lado da janela; quem olhe o tecto ou o infinito. Eu olho-os a todos, tento ler-lhes nas expressões o que lhes vai na alma. Quero saber em quem pensam, como lhes correu o dia, de onde vêm e para onde vão. Tento adivinhar-lhes as paragens de destino pela forma de vestir, pelo comportamento, pela inquietação.

Conto os dos telemóveis e são a maioria. Conto os das malas e há muitos. O aeroporto será o destino dos das malas certamente... Para onde irão viajar? Tento agora adivinhar-lhes a nacionalidade. Preciso de uma palavra para confirmar a minha hipótese. Apuro o ouvido mas não os oiço, porque viajam em silêncio.

O silêncio irrita-me e passo a contar os que viajam de óculos escuros na cara. São três. Por que estarão de óculos escuros se viajamos por debaixo da terra e não há sol que lhes fira os olhos?
Talvez esteja na moda, talvez queiram olhar sem que se perceba para onde, talvez se tenham esquecido de os tirar da cara ou tenham preguiça de o fazer só pelos breves instantes da viagem...

Chega a minha paragem e tenho que os abandonar. Saio e perco-os de vista para sempre, como se tivesse fugido de casa e deixado tudo para trás. Largo as histórias que imaginei e embarco numa nova viagem. Sigo para outras vidas que me aparecerão pelo caminho, para outras histórias que inventarei, para outra gente que nunca mais voltarei a encontrar. Sigo confiante de que um dia os terei a todos guardados em folhas papel.
Um dia serão todos meus, desenhados pelas minhas palavras, com os sonhos, os desejos e as angústias que implantarei nas suas vidas.

Um dia serão todos meus, só meus, e não haverá paragem que mos tire.

Mensagens populares deste blogue

Assédio tuga

Hoje fui assediada de uma forma um tanto ou quanto... original.

Numa exposição, um senhor de uns oitenta e poucos anos encostou o ombro ao meu como que para ver o mesmo artigo exposto que eu estava a ver. Como uma pessoa mais ou menos bem-educada, afastei-me para lhe dar espaço, pensado que era isso que pedia com o encosto.
O senhor volta a aproximar-se e diz: -Minha senhora, dá-me um beijinho? Olho para ele espantada e respondo:  - Não! - Porquê? - pergunta, estranhando a minha nega. - Porque não nos conhecemos. - Mas a senhora tem uma cara tão bonita... Dê-me lá um beijinho!
Afasto-me com medo que, num saltinho (porque sou para o alta e ele era para o baixo), me espete um beijo, apanhando-me desprevenida. Finjo que vou ver outra peça da exposição para me afastar um pouco mais. O senhor vem atrás de mim e, como me sinto perseguida, olho para "maman" que está de costas e completamente alheio ao assédio de que estou a ser vítima, na esperança que, caso a coisa dê para o torto…

Um Pavor de Pai Natal

O J. que nunca gostou de Pais Natal foge cada vez que encontra um nos Centros Comerciais. Hoje, quando andávamos às compras, rezando para que não encontrássemos nenhum à esquina, pergunta-me: - Alguma vez me tentaste obrigar a sentar ao colo de um Pai Natal? - Não, claro que não. Ainda mais eu que sempre tive medo de palhaços e te compreendo tão bem por não gostares de Pais Natal. - A sério? Sempre tiveste medo de palhaços? - pergunta, sentindo o seu medo menos solitário. - Sim, sempre tive medo de palhaços e mascarados. Fazia-me impressão não  lhes conseguir ver as expressões faciais. - Mas houve uma vez que te mascaraste de palhaço... - Sim, mas isso já foi mais tarde. Além disso, não tinha medo de mim, como é lógico. - E o pai? Tentou sentar-me ao colo de algum Pai Natal? - Não, que me lembre, não. Mas o pai não te ia fazer isso... Nenhum de nós te ia obrigar a sentar ao colo do Pai Natal. Podíamos ter perguntado se querias, mas obrigar-te não, de certeza. Porque perguntas isso? -…

Parceira de PET

Há uns tempos, durante a minha cruzada oncológica, fiz várias PET - Tomografia por Emissão de Positrões. O exame não é doloroso, no entanto foi dos que mais me custou fazer. Requeria uma longa preparação de jejum e de imobilidade que, para uma pessoa como eu, cujo mau-humor se acentua quando exposta a factores como a fome, o frio e o sono, me deixava para lá do insuportável. Durante as longas horas de preparação só me apetecia bater em toda a gente que cruzasse o meu caminho. Como não o podia fazer, tentava dormir para esquecer a fúria que me invadia.
Num destes dias de tortura, dormi durante umas sete ou oito horas numa cama de hospital até me chamarem para a sala, dita, de preparação para o exame. Já tinha uma noite de jejum em cima e estava possessa. 
Tal como podem ler na definição de PET que linquei acima, é-nos injectada uma substância radioactiva antes do exame, que nos percorre o corpo e assinala os consumos de glicose anormais das células, uma das características das células…