Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Janeiro, 2017

Deixem-se de merdas!!!!

Já vos falei da minha opinião quanto ao ensino em Portugal. Sim, já falei vezes demais sobre este assunto, mas como não me conformo, vou continuar a falar. Nem que seja para as paredes!

A revolta é tão grande que me sinto continuamente a viver num mundo à parte. Como se houvesse uma bolha em volta dos pais, professores e escola de onde eles não conseguissem sair de maneira nenhuma. Sim, a bolha rodeia-os a eles, não a mim! Parece que estão sempre a martelar na mesma tecla, cultivando um sistema completamente obsoleto, centrado em resultados, bons comportamentos, teorias da treta, como se não vissem para além do que lhes é imposto, como se não vissem o óbvio: que os alunos só aprendem se quiserem aprender; que o que interessa não são os fins, mas os meios para atingir os fins; que os bons resultados são o resultado (desculpem o pleonasmo) da vontade e não da imposição.

Merda para estas mentes fechadas em caixinhas minúsculas! Merda para eles, é o que tenho a dizer! Continuem a formar g…

Às mijadoiras

Respeito quem anda de roupa suja, rota, rasgada ou descosida.
Respeito igualmente quem traz a pele suja; quem cheira a sono ou suor; quem exagera nos perfumes ou quem não os usa de todo; quem não lava a cara, os dentes ou os pés.
Respeito quem se veste com roupas estranhas, desajustadas, excessivamente grandes ou pequenas.

Só não respeito quem mija para fora das sanitas e não limpa o seu mijado. E digo "mija" de propósito, porque esta gente não faz xixi, não urina, mija!
As mijadoiras dizem-se muito limpinhas e que mijam de rabinho no ar para não conspurcarem o dito cujo. No entanto, conspurcam tudo à volta. É que os seus reais rabinhos no ar impedem que o mijo que lhes sai das entranhas acerte dentro sanita... E, porque são muito limpinhas e têm nojo do próprio mijo, deixam-no espalhado por todo o lado, para que a próxima o limpe.

Não, não são limpinhas, minhas queridas, são mesmo porcas!

A miúda

Um dia conheci uma miúda no IPO (na verdade, nunca a conheci pessoalmente, mas de vista). Tínhamos a mesma médica e encontrámo-nos algumas vezes na "sala de chuto" do hospital. Devia ter uns dezasseis ou dezassete anos e tinha a vivacidade própria dessa idade.

Num dia em que tínhamos quimioterapia à mesma hora, ela chegou atrasada. Vinha com uns três ou quatro amigos da mesma idade e queimada do sol.
Era Verão, um daqueles dias abrasadores de Verão, e a miúda tinha ido à praia antes de ir para ali. Tudo normal se ela não estivesse em tratamentos de quimioterapia, já que as pessoas nesta situação não devem apanhar muito sol, porque ficam sujeitas a queimaduras mais facilmente. Mas a miúda, na frescura dos seus dezasseis ou dezassete anos, não quis saber e foi para a praia com os amigos.
Claro que a nossa médica se zangou e ralhou com ela, o que não quebrou aquela alegria de viver, nem a galhofa com os amigos.
Invejei essa alegria várias vezes... O alheamento à gravidade da si…