Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Março, 2016

O amor aloja-se ali no fundo da alma e não dorme

O sentimento adensa-se com o passar dos anos...
A inexistência de um cordão umbilical e de uma ligação pelas entranhas, não é barreira ao amor. O amor não está num punhado de veias e artérias, nem nos nutrientes que por elas circulam.
Ah, o amor ligado ao coração e ao sangue e ao pulsar mecânico que bombeia um órgão...
O amor mora no peito, ou na barriga, ou nos joelhos. O amor mora onde quisermos, mas mora tão fundo que trespassa qualquer corpo. Está infiltrado na alma, nessa massa estranha e transparente a que chamamos "alma". O amor aloja-se ali no fundo da alma e não dorme. Vive ali apenas... Expande-se até à pele ou corrói-nos até os ossos, depende da alegria ou da dor com que nos enche. E enche-nos E corrói-nos. E corrói-nos. E enche-nos. E o cordão umbilical não faz falta, sempre que o amor mora em qualquer lugar na alma. Na alma de uma mãe ou na alma de um pai. Na alma apenas.

Se eu fosse um animal

Às vezes, sinto um desprezo enorme pela espécie humana.
Olho para os rostos rasgados por sorrisos falsos e revolve-se-me o estômago. Sinto agonias percorrem-me o corpo todo. Começam no estômago e, ao mesmo tempo que me sobem à cabeça, descem-me aos pés. Fico com os pés enjoados de tanta frivolidade. E apetece-me deixar de ser humana e ser só animal. Um cão, um gato, um cavalo... Um animal qualquer... Mas livre. Não me queria enclausurada na casa de alguém. Não me queria de unhas cortadinhas, pêlo penteado ou horas para fazer as necessidades. Queria-me livre. Livre de gente que me revolva o estômago.
Se eu fosse um animal, rebolar-me-ia na terra e afiaria as unhas nos troncos das árvores. E rosnaria, rosnaria sempre que me apetecesse.
Se eu fosse um animal, tenho a certeza que não gostaria de pessoas.

Algures na 2ª circular perdi o meu protector

Fez ontem uma semana que o Gatossoa nos deixou. Se ele não tivesse ido lá para o reino dos gatinhos, estaria agora a tentar deitar-se ao meu colo ou encostado à minha perna.
O Gatossoa não se chamava Gatossoa, mas era o nosso gato. Na verdade, era o meu gato. Ou eu a pessoa dele. Estivesse eu onde estivesse, ele ou estava em cima de mim, ou a olhar para mim.
Desde que aqui chegou, há cerca de 5 anos, que me adoptou. Mais ele a mim do que eu a ele, por mais estranho que isso possa parecer... Velava por mim onde quer que estivesse e olhava-me com olhos de pessoa. Este gato lia-nos as expressões. Ao contrário dos gatos comuns os olhos dele moviam-se de um lado para o outro a ler-nos. Por isso, dizíamos que tinha uma pessoa aprisionada dentro dele e que só era um gato porque a pessoa não se conseguia libertar.
O gato perdeu-se de amores por mim e chegou mesmo a rosnar ao pai do J. quando ele me tocava numa fase que devia corresponder à adolescência dos gatos.
O Gatossoa morreu comigo a co…

A nota do F.

No mês passado, a minha avó fez anos.
Como costumamos fazer nos dias de festa (como o Natal, por exemplo) juntámo-nos em casa dela: filhos, netos, bisnetos e jantámos, conversámos, reencontrámo-nos.
No Natal, a minha avó costuma dar uma nota dentro de um envelopinho a cada bisneto.

Na festa de aniversário da minha avó, o filho mais novo da minha prima mais velha, o F. que tem 2 anos, andou por lá a brincar de um lado para o outro com o irmão e com o meu filho.
Às tantas, deixa os companheiros de brincadeira, vai ter com a minha avó e pergunta-lhe:
- Avozinha, tens nota? Para pagar?
- Nota? Não, F., a avozinha dá nota é no Natal, hoje são os meus anos. - responde-lhe a minha avó divertida.

O F. lá se convenceu e foi dar mais uma voltinha às suas brincadeiras. Mas a minha avó deve ter ficado a pensar na nota que não deu ao pequeno e, dali a pouco, lá foi buscar uma para o F.
Deu-lhe a nota e disse:
- Toma, mas é metade para ti, metade para o M. (irmão do F.)!

O F. assentiu com a cabeça …

Hippie

A ouvir Janis Joplin.
O J. pega no CD (sim, ainda usamos CDs por aqui!) e diz:
- Mãe, qual era o estilo da Janis Joplin? Ela era hippie?
- Era.
- E morreu de quê?
- De overdose.
- Ela drogava-se muito?
- Sim, um bocado.
- Tens um estilo parecido com o dela.

(Espero que de hippie...)