segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Hoje, Vi o Meu Avô

Hoje, vi o meu avô nos olhos de um senhor sentado num banco de jardim. 

Olhava para dentro como o meu avô tanto olhou até que se perdeu por lá. Dobrava a perna, o senhor, numa ginástica que chamava os músculos adormecidos à vida. Ordens do cérebro que já não lhes chegam. Cabeça que ordena a corpo que não cumpre. 

Hoje, vi o meu avô nos olhos de um senhor sentado num banco de jardim.

Como o vejo por aí, de vez em quando. Como o vejo em flores e gatos. E em sonhos. Encontro-o em sonhos como gostava de o encontrar no banco de jardim. 
Hoje, nos olhos do senhor. E na perna. 

Hoje, na ausência do olhar e na saudade imensa.

1 comentário:

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...