quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Praxes

Ontem, numa conversa com a minha mãe sobre as praxes, que já se fazem aos miúdos do 5º ano, ela diz-me:

- Para mim, as praxes não são mais do que uma forma de bullying!

Eu concordo plenamente com ela. As praxes são bullying! E, na maior parte das vezes, são bullying consentido, o que me parece ainda mais grave. 
Permitirmos que abusem de nós, nos humilhem, nos façam fazer coisas contra a nossa vontade, só para sermos bem aceites ou porque temos medo de nos impormos, é grave, muito grave! Reflecte falta de personalidade, auto-estima diminuta e, essencialmente, falta de TOMATES! 

Há quem defenda as praxes como uma forma de integração no meio escolar. Há quem diga "nos dias de praxe, os alunos têm a oportunidade de conhecer os colegas, de perceber como funciona a nova escola, de fazer amigos".

Sim???

Acham que vale a pena os alunos passarem por sessões contínuas de humilhação para se integrarem, conhecerem os colegas, perceberem como funciona a nova escola e fazerem amigos?
Não haverá outra forma de conseguirem tudo isso?

E acham mesmo que ISTO é giro?




Imagens retiradas da Internet.

6 comentários:

  1. Alguém que pensa da mesma maneira que eu. Sempre me manifestei contra a praxe. Jogos de acolhimento, e integração pouco têm que ver com humilhação, mas ao que parece, na praxe andam de mãos dadas. Até mesmo pode ser perigoso, porque tenho conhecimento de pessoas que ficaram com problemas graves, por fazerem uma praxe, e é lamentável

    ResponderEliminar
  2. Por isso achei louvável a iniciativa do ISCSP que optou pela praxe solidária, e em que a integração dos alunos foi feita prestando serviço a causas sociais. Aí até eu gostaria de participar (no meu tempo, estive ajoelhada num lago com água até à cintura - se fosse hoje!!!!)

    ResponderEliminar
  3. É abominavél, já assisti por acaso, ia a passar e apeteceu me mandar parar com aquela palhaçada, cambada de tótós e frustrados...

    A minha cria mais velha não aderiu e até se inscreveu na luta anti praxe distribuindo folhetos a elucidar que não precisam fazer aquilo, mas infelizmente há quem goste

    ResponderEliminar
  4. Diogo Gonçalves,
    É mesmo lamentável!
    Bjs

    ResponderEliminar
  5. Moimême,
    Desculpa que te diga, mas não acho que fazer acções solidárias como praxe seja assim tão positivo.
    As acções solidárias devem ser espontâneas e de livre vontade, não uma obrigação, ou perdem todo o seu efeito "solidário".
    Bjs

    ResponderEliminar
  6. Felina,
    Grande cria mais velha que tens! Hoje em dia, é um acto de extrema coragem.
    Só espero que a minha, quando chegar a altura dela, siga esse exemplo.
    Bjs

    ResponderEliminar

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...